fbpx

SENTIR-SE PARA SE PERCEBER E SE CUIDAR

SENTIR-SE PARA SE PERCEBER E SE CUIDAR

Quando há o conhecimento da Sensação e da Percepção é que se conhece, verdadeiramente, o comportamento humano.

Pergunte-se: Como fazer isso? O processamento se dá em dois níveis:

            1) Processamento da sensação

            2) Processamento da percepção

Consegue diferenciá-los?

Na realidade, esses dois níveis fazem parte de um mesmo processo! Se não conseguir diferenciá-los, veja:

Sensação – envolve a simples tomada de consciência do que é a realidade, o que a compõe naquele momento;

Percepção – inclui a sensação e a consciência, mas acompanhadas dos significados que lhes atribuímos. Em geral, são ligadas às experiências vividas.

Então, acompanhe: sensação + percepção = tomada de conhecimento e compreensão de uma situação a qual estamos vivendo. Isso significa que a decodificação de sua percepção (tornar mais compreensível ou interpretar melhor o significado do que sente) é essencial para o modo como trata seus relacionamentos ou como cuida de si mesmo!

Quando não concentramos ou focamos a nossa atenção nesses estímulos que chegam até o cérebro (sensações), não identificamos certos fenômenos, certos sentimentos, por isso, dificulta-se o aparecimento de significados da situação e não se percebe a realidade!

Sempre será importante sermos assertivos com a nossa sensação e a nossa percepção, mas como explicar a assertividade? Como uma forma de atitude que mostra competência emocional! E como explicar isso? A competência emocional nos mostra o que fazere como fazerpara expressar as nossas emoções. Permitindo-nos tomar uma decisão clara e afirmativa do “eu”, com segurança do que queremos alcançar.

Tenha claro: Inteligência não quer dizer competência. Você pode ter muito conhecimento, mas deve saber como usá-lo apropriadamente.

Já a assertividade tem a ver com o pensamento positivo. Se essa forma de pensar não faz parte do seu cotidiano, então, talvez, seja o momento de pensar em sua autoestima!

E o que é isso? 

Como conseguir viver e construir sua autoestima através da positividade psicoemocional?

A positividade nos indica que é importante acreditarmos nas possibilidades e olharmos para o que temos feito para seguirmos com nossos objetivos. Assim, a positividade emocional nos lembra que, ao olharmos para as possibilidades, por exemplo, de cuidarmos de nós mesmos, precisamos também saber controlar os nossos sentimentos para acreditarmos nas ações que vamos realizar. 

Autoestima não é algo que se tem, mas algo que se constrói. E por que ela é tão importante? Porque representa estados corporais associados com situações ambientais, sociais ou físicas que ocorrem. Esses estados são desencadeados pelas situações que nos cercam. Os nossos sentimentos provocam manifestações corporais e o reconhecimento dos sinais do corpo que indicam os nossos sentimentos precisa ser aprendido (com os pais ou com o ambiente onde nos relacionamos).

Autoestima é a consciência aprendida do nosso próprio valor. Influencia escolhas, decisões, e chega, até mesmo, a mudar a forma como vemos a realidade, o mundo e as necessidades pessoais que estão à nossa volta. Ela é um agente impulsionador de sentimentos, levando-nos a acreditar e a confiar em nós mesmos.

Gostaria de falar, principalmente, com estes profissionais que lidam com pessoas, sejam pais, professores, entre outros para quem a comunicação se faz importante.

Cuidar e colocar em execução situações, preservando ou defendendo sua autoestima, promove o desabrochar consciente de sua personalidade e de suas habilidades sociais, passa a confiança que seu interlocutor precisa, além de promover e de garantir o seu bem-estar sempre, porque se é aceito por si mesmo é, consequentemente, pelos outros!

SENTIR, PERCEBER E CUIDAR!  VOCÊ SENDO REALMENTE VOCÊ! AMOR PRÓPRIO, PARA VOCÊ SER VOCÊ!!!

Sobre o Autor

Prof. Dra. Marinês Saraiva

Prof. Dra. Marinês Saraiva author

Professora graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUC- Campinas, SP. Pós-graduada em Psicopedagogia pela Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro.Dra em Educação pela Universidade de São Paulo, USP-São Paulo, SP. Professora Supervisora do Curso de Psicologia ,aposentada pela Universidade Estadual de Maringá-PR. Intensa vivencia na atuação como professora, supervisora, coordenadora de projetos de cursos para Educação Especial Inclusiva.